12/3/2018


8 DE MARÇO

Mulheres protestam contra violências e rejeitam intervenção no Rio

Ato no Dia Internacional das Mulheres associou a intervenção, apontada como inócua na segurança, a políticas de exclusão e quebra de direitos

A principal manifestação que marcou o Dia Internacional das Mulheres no Rio de Janeiro se posicionou de forma enfática contra a intervenção federal e militar na área de segurança do estado, primeira nestes marcos no país desde o fim da ditadura liderada pelos generais, em 1985. "É pela vida de todas as mulheres", dizia frase grafada em letras brancas na faixa lilás, logo abaixo da mensagem contra a intervenção, que abria a passeata que reuniu milhares de pessoas ao longo de cerca de três horas nas ruas do centro da capital fluminense, na noite do dia 8 de março.

Cinco mulheres, militantes de organizações civis voltadas para as lutas feministas, carregavam a faixa assinada pelo movimento 8M. Entre elas, Rejane Ferreira, que criticou a política de segurança voltada para grandes operações policiais nas comunidades pobres. "A intervenção afeta em especial a vida das pessoas da favela e as mulheres faveladas. A intervenção tem um gasto público muito grande, [enquanto] estamos com problemas na saúde, educação e em vários setores no Rio de Janeiro. A prioridade foi uma intervenção que não serve para nada, que não vai resolver o problema da segurança, como a gente viu nas outras intervenções, porque essa não é a primeira intervenção", disse, à reportagem, enquanto caminhava na av. Rio Branco, uma das principais do Centro do Rio.

Negra e jovem, Rejane vê nessa política que considera inócua para o combate à violência consequências bem objetivas para a população das periferias. "Essas intervenções só humilham o povo pobre e favelado, e as mulheres também estão dentro das favelas, especialmente as mulheres pretas. Na hora que dá problema na saúde e na educação, qual é a população que fica mais prejudicada? A gente sabe muito bem que as drogas e as armas não são feitas dentro das favelas", constatou a militante, que atua no Fórum Estadual de Combate à Violência Contra as Mulheres do Rio de Janeiro.

Intervenção e reformas

Transcorrida sob chuva que oscilava pancadas com momentos de trégua, a passeata levou às ruas, além da faixa de abertura, muitas outras referências críticas à intervenção, expostas em mais faixas, cartazes, adesivos e palavras de ordens. "Que hipocrisia/a guerra às drogas mata preta todo dia", cantavam as mulheres, imensa maioria no ato. "As reformas [de Temer] e a intervenção vão atingir muito as mulheres nas favelas. Por que só nesses lugares resolveram colocar intervenção? A violência não é só ali. Para a gente, isso não é intervenção, é segregação. Intervir somente em lugares de pobre e de maioria negra", questionava a servidora Avanir Carvalho Pontes. "Estão transgredindo direitos conquistados há muitos anos, temos que estar nas ruas contra isso e para anular as reformas [já aprovadas], como a trabalhista", defendeu.

A professora aposentada Sônia Lúcio, da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense, disse que as mulheres devem lutar contra a intervenção militar porque "ela visa controlar e criminalizar, sobretudo, os segmentos mais precarizados da classe trabalhadora e os que lutam por direitos". A docente aponta três motivos aparentes para o decreto de Michel Temer: "Porque ela possui apoio popular, especialmente na classe média, o que favorece a posição da cúpula governista no cenário político-eleitoral; porque  seu objetivo é  fazer um teste para uma maior participação das forças armadas na cena política e social; e porque a intervenção também responde à necessidade de fortalecer o aparelho repressivo perante um quadro de crise política e social profunda e aguda como no Rio de Janeiro”.

Jogral

O protesto feminista terminou com um ato público na Praça XV, área próxima à zona portuária que abriga alguns prédios históricos ainda da época colonial. Antes de dançarem uma animada e engajada ciranda, encerrada sob uma tempestade que desabou sobre o Centro da cidade, a organização do ato conduziu um jogral que reafirmou a posição contrária à intervenção. "Afirmamos que a nossa luta é o que muda o mundo. Para combater o patriarcado, o machismo e o capitalismo, a exploração e a opressão de nossas vidas, dos nossos corpos, afirmamos: não à intervenção militar no Rio de Janeiro, contra todas as formas de violência às mulheres, contra a reforma da Previdência e o pacote de maldades de Temer, pela legalização do aborto. Nenhum direito a menos, nenhuma a menos, vivas nós a queremos", disseram, em coro e visivelmente emocionadas, as manifestantes.

 

 



Hélcio Duarte Filho
LutaFenajufe-Notícias